Advogados podem contratar assessoria de comunicação sem ferir o código de ética?

Advogados podem contratar assessoria de comunicação sem ferir o código de ética?

Uma das principais preocupações dos escritórios de advocacia em relação à contratação serviços de comunicação é ferir dispositivos do Estatuto da Advocacia e da OAB (Lei 8.906/94, Capítulo IV e o provimento 94/00, do Conselho Federal) que proíbem a publicidade na advocacia e tratam da mercantilização dos serviços jurídicos.

No entanto, existe uma série de serviços e consultorias que uma assessoria de comunicação pode prestar a um escritório de advocacia que não se enquadram em publicidade, pois tem o objetivo de melhorar a experiência do cliente através de uma série de iniciativas como um plano estruturado de comunicação, modernização do site institucional, elaboração e publicação de conteúdos jurídicos em blogs e redes sociais.

Há diversas técnicas para conseguir uma maior eficiência na divulgação institucional e das publicações, que vão desde a correta adequação dos conteúdos e produções textuais para cada rede social até a otimização ranqueamento das buscas do Google (SEO), que fará o website do escritório ser um dos primeiros a aparecer nas buscas.

E o melhor de tudo é que esse tipo de serviço de comunicação, além de fortalecer o relacionamento com os clientes atuais, dando visibilidade e credibilidade ao trabalho já realizado, acaba indiretamente atraindo novos clientes e trazendo mais resultados para o escritório, sem entrar em desacordo com o Estatuto da Advocacia e da OAB ou com o Código de Ética e Disciplina.

Advogado, já pensou em atualizar a sua comunicação?