fbpx
Você tem um blog?

Você tem um blog?

Como um blog pode potencializar a sua estratégia de marketing digital

Você pode até ter algum preconceito contra eles, já que assim que foram criados os blogs foram divulgados quase com um diário virtual de pessoas que queriam ganhar algum destaque na rede. Mas ao longo dos anos esse perfil mudou e hoje os blogs são ferramentas poderosas e fundamentais para o sucesso de uma estratégia de marketing digital. Tentarei explicar como um blog pode ser a peça chave para potencializar a sua divulgação nas redes.

 

Ganhando autoridade

Pense o quanto pode ser bom publicar o conteúdo que quiser e ter esse material como um ativo permanente na web.  Essa é uma das vantagens do blog. Ao contrário de qualquer outra divulgação que tem data para terminar, o seu texto ficará lá pelo tempo que desejar.

É claro que esse conteúdo que pode ser em forma de artigo,  vídeos, fotos, perguntas e respostas ou outros, deve ser trabalhado com cuidado e deve mostrar o seu conhecimento a respeito do tema que quer destacar. Você deve investir em produzir material de qualidade e direcionado ao seu público. O objetivo é entender como se tornar autoridade no assunto, sendo procurado por prospectivos clientes e interessados no tema que irá falar. Bons conteúdos ganham a confiança e reputação para a sua marca, além de formar um público que gosta do que lê e acompanha o material publicado no blog.  

 

Sendo visto pelo Google e por possíveis clientes

Ao criar um blog, normalmente as empresas ou profissionais costumam usar uma subpasta ou subdomínio do site, isto é, dentro do site principal, por exempo: www.suaempresaxxx.com.br/blog . Esse recurso costuma dar mais visibilidade ao seu site e, pelo número de links ligados a página, obtém volume, fortalece a marca e ganha credibilidade para os motores de busca do Google. Passando a incluir o seu conteúdo relevante em uma possível procura no Google e subindo a sua posição de rankeamento. Com certeza isso te ajudará a dar mais visibilidade para possíveis clientes.

Existem técnicas para produzir um conteúdo adequado para blogs e para ser melhor encontrado pelo Google, mas antes é preciso que você tenha interesse em ter o seu blog.   

 

Interatividade

Ao criar um blog sua empresa está mais exposta ao público e também às dores e perguntas dos interessados pelo seu conteúdo. Essa é uma oportunidade de ganhar e fidelizar clientes. Você pode interagir quando esclarece uma dúvida, quando comenta sobre algo que leu com eles ou simplesmente responde os comentários. Cria vínculos que te aproximam ainda mais do seu público.

 

Campanhas nas redes sociais e vendas

Esse pode ser o grande argumento para finalmente você se convencer a ter um blog. Hoje as estratégias ligadas ao marketing digital, principalmente ao marketing de conteúdo, convergem para o Blog das empresas. É através dele que elas buscam atrair potenciais clientes e reduzir os custos de vendas.

Os principais objetivos do marketing de conteúdo são: aumentar o reconhecimento da marca ou profissional, incentivar a lealdade, educar consumidores, engajar os clientes, gerar e qualificar leads e reduzir os custos de marketing, como já havia comentado.

Como você pode utilizar o blog para potencializar as suas campanhas nas redes sociais? O ideal é que você faça um planejamento para atuar, onde tenha as informações bem definidas, desde o conteúdo que irá publicar até como irá  realizar as campanhas para gerar leads. Os leads são contatos de pessoas que estão de alguma maneira interessadas no seu conteúdo ou no seu produto. É através desse contato que você poderá fechar novas vendas. E o grande atrativo para o seu site ou para conseguir esses leads, é o conteúdo do seu blog.

Uma pesquisa levantada pela Martech em 2016 levantou que as estratégias mais utilizadas pelas empresas de tecnologia para a geração de leads são: Posts em redes sociais (86,7%), Envio de email marketing (82,7%), Posts em blog (77,6%) e Compra de mídia (64,3%). Publicações em blogs são responsáveis por conquistar uma média de 1,8 vezes mais visitantes para as empresas que praticam a estratégia de Marketing de Conteúdo. (Content Trends, 2017)

Outra vantagem, além do marketing digital, os blogs podem vender espaços publicitários e podem realizar publieditoriais que divulgam produtos  ou serviços que tenham relação com o seu conteúdo. Tudo isso dentro do mesmo local.

 

Dados sobre blogs

Pesquisa realizada pela Content Trends, em 2017, revelou que 53,5% das empresas que adotam Marketing de Conteúdo, destacando o site/blog como foco, sabem os números de visitantes mensais que recebem. Já 66,7% dos negócios que não adotam a mesma estratégia, desconhecem o número de visitas. As empresas que afirmaram publicar posts no blog apresentam um aumento de 3,7 vezes na média mensal de visitas do site comparado a quem não utiliza. (Content Trends, 2016).

 

Você ainda tem dúvida se deveria ter um blog? Repense sobre como pode te auxiliar na sua reputação e vendas.

 

Geiza Mesquita, consultora de comunicação e redes sociais

www.geizamesquita.com.br

Para saber mais, entre em contato conosco.

 

Como aumentar as vendas do seu comércio de bairro com as redes sociais

Como aumentar as vendas do seu comércio de bairro com as redes sociais

A importância do comércio de bairro

Quem não já acordou em um domingo de manhã e pensou: “hoje vou tomar café na padaria da esquina”? Ou esqueceu de comprar algo para receber os amigos e correu na venda mais próxima de casa? Ou quem sabe foi naquele bazar que você encontra desde uma lâmpada até uma agulha de costura que precisa de última hora? Ah! O comércio de bairro é mesmo salvador!

Sabemos que a localização de um negócio é um aspecto que pode ser decisivo para o seu sucesso. No caso de pequenas lojas de bairros, esse é um ponto crucial. Isso porque esse tipo de comércio atende a demandas localizadas e, em alguns casos, pode até atrair uma clientela de outras regiões, desde que ofereça um diferencial. E diferencial é algo que os pequenos comércios costumam fazer bem, muito por conta do atendimento personalizado, mais humanizado, proporcionado por uma demanda menor do que a de grandes empresas, o que possibilita maior nível de satisfação e fidelização.

Quando o “boca a boca” passou a ser feito por um clique

Durante muitos anos, a chave do sucesso de muitos pequenos comércios sempre foi o famoso “boca a boca”, a indicação de amigos e vizinhos e muitas vezes, a facilidade de ser o único comércio do setor no bairro. Mas com o surgimento de novos concorrentes, a pulverização da clientela e as redes sociais, essa estratégia passou a não satisfazer mais os comerciantes, que ao longo dos anos viram seus pequenos comércios perderem a força de anos de tradição.

Investir em uma estratégia nas redes sociais, onde é possível atingir o público certo, dentro da sua localização, se tornou imprescindível e um diferencial para os comércios de bairro, além de ser um investimento de comunicação que cabe no bolso de pequenos comerciantes.

No Facebook, por exemplo, é possível segmentar seus anúncios por região. Criar estratégias que te aproximem ainda mais do seu público. Divulgar os diferenciais dos serviços oferecidos e produtos por meio de fotos e vídeos que podem gerar engajamento e fomentar novas oportunidades de vendas.

Essas ferramentas são, ainda, canais abertos de comunicação com clientes, permitindo ainda que eles entrem em contato diretamente com sua loja, estreitando ainda mais o relacionamento com o cliente. E já sabemos que as indicações hoje podem vir por meio de um clique nas redes sociais.

Vantagens de estar nas redes sociais

A principal vantagem é estabelecer uma interação ainda maior entre o comércio e o público, destacando principalmente as experiências dos clientes durante todo o seu processo de compra.

Outro dado muito benéfico do trabalho nas redes, é que é possível se estabelecer metas e trabalhar em cima de dados reais para que elas sejam alcançadas. As métricas produzidas pelas redes sociais podem comprovar a eficiência das ações realizadas e conduzir outras ações dentro da estratégia de vendas do comércio.

Outro ponto de destaque é a possibilidade de segmentar o perfil exato do seu público, direcionando a sua divulgação para pessoas que realmente tenham interesse no seu produto ou negócio, diferente de uma mídia tradicional normalmente utilizada pelo comércio de bairro.

Não basta estar nas redes, tem que cuidar – Dicas de como explorar as redes

Agora que você já compreendeu a importância e as vantagens de estar nas redes sociais, deve saber que é preciso cuidar dela também. Deve usá-la como forma de se comunicar e se aproximar do seu público, mas com objetivos bem definidos.

Uma sugestão é direcionar a sua comunicação a um cliente ideal, ou mais conhecido como persona, que deve demonstrar bem quem é o seu cliente, com dados sobre o comportamento e características demográficas ou que tenha uma história que represente bem o seu cliente. Publique para ele. Pense nele ao escrever ou tirar uma foto.

Tente refletir bem o clima positivo do seu comércio. Valorize os funcionários, o produto que os clientes só encontram lá, o tempo que ele está no bairro, as histórias que as pessoas têm para contar da sua loja. Seu conteúdo quer vender, mas pode ser muito mais agradável se for envolvente e também contar histórias.

Crie promoções que possam ser divulgadas nas redes, mas lembre-se que elas precisam ser honradas sempre, sob pena de não cumprir o Código de Defesa do Consumidor e perder a confiança do seu cliente. Respeite sempre as regras.

Envolva o seu público em uma campanha do bairro. Afinal seu comércio tem valor para a comunidade local.

E lembre-se de interagir com seus clientes caso comentem algo. Seja gentil e cordial. Convide-o a conhecer ou retornar a sua loja.

Pode parecer fácil realizar o trabalho, mas estar à frente do seu negócio consome a maior parte do seu tempo, por isso um profissional especializado em planejamento de redes sociais pode te ajudar.  Usar a estratégia, ferramentas corretas e analisar as métricas fornecidas pelas mídias pode potencializar ainda mais as metas estabelecidas para seu comércio.

Dessa vez, contamos como as redes sociais podem te ajudar a aumentar as vendas do seu comércio. Continue acompanhando sempre as novas dicas sobre marketing digital, comunicação e planejamento no nosso blog e redes: Facebook, Instagram e Linkedin

 

Geiza Mesquita

Jornalista e Gestora de Redes Sociais

www.geizamesquita.com.br

Microinfluenciadores

Microinfluenciadores

Parceiros para divulgar pequenas e médias empresas

É muito comum pequenas e médias empresas terem um produto diferenciado, mas não saberem como destacá-lo no ambiente digital. A busca para atingir maior visibilidade pode contar com uma estratégia diferenciada: a parceria com microinfluenciadores.

Hoje eles já são milhares, e  apesar de não terem uma audiência tão grande quanto as celebridades nacionais, possuem alguns diferenciais: costumam ter um público altamente qualificado, segmentado e engajado, além de participarem ativamente da sua própria comunidade. Assim em muitos casos, microinfluenciadores acabam sendo uma excelente escolha na hora de dar mais visibilidade a sua marca.

Se optar por essa estratégia, lembre-se que é preciso analisar muito além do número de likes e seguidores do canal de mídia escolhido para trabalhar. Pesquise sobre seu real poder de opinião ou autoridade com o público e o enquadramento ideal desse público ao seu negócio. Estudo divulgado pela Qualibest em junho de 2018 aponta que os microinfluenciadores são os maiores direcionadores no momento que o consumidor opta por um serviço ou produto, só perdendo para parentes e amigos. Dos participantes do estudo, 49% disseram ser influenciados por esses criadores de conteúdo.

A pesquisa revela que com 39% das preferências estão os sites de reviews e blogs, 34% sites oficiais de marcas seguidos por 26% de publicidade na internet, 22% vendedor, 17% propaganda em TV e rádio e 4% em anúncios impressos. O levantamento foi realizado entre os dias 7 e 21 de março com 700 pessoas por meio de questionário online. Os entrevistados são de todas as classes e com idades entre 20 e 29 anos. Do montante, 76% afirmam seguir ao menos um influenciador digital. Deste grupo, as redes sociais mais utilizadas são Facebook, 92%, YouTube, 90%, Instagram, 73%, Twitter, 31% e SnapChat, 23%.

Para obter o máximo de resultado para o seu negócio com  microinfluenciadores, o ideal é buscar orientação de um profissional especialista em mídias sociais para o desenho da melhor estratégia. Explore essa possibilidade e avalie os resultados.

Geiza Mesquita

Jornalista e consultora de redes sociais  

Empresas escolhem Youtube e Instagram para investir em Marketing Digital

Empresas escolhem Youtube e Instagram para investir em Marketing Digital

Pesquisa da HubSpot revela que Youtube e Instagram são preferência na hora de escolher onde investir em Marketing Digital

Um levantamento feito pela HubSpot com público da América Latina em 2018 apurou que o Youtube e o Instagram são as principais redes escolhidas na hora de pensar em investimentos de marketing digital. Entre os participantes, 55% citaram o YouTube como principal plataforma a receber investimentos, seguida pelo Instagram, com 53%.

Esse pode ser um bom dado para lembrar algumas empresas que estão com dificuldade de inserir nas suas estratégias de comunicação os influenciadores e microinfluenciadores digitais. Essas plataformas são muito bem exploradas por eles e pelo que mostra o mercado, já é também uma preferência de muitas empresas.

Claro que nem sempre o que é bom para uma empresa ou até mesmo para o seu concorrente pode ser bom para o seu negócio. Mas os resultados devem ser o principal motivo para essa escolha. A pesquisa revela que os esforços das equipes de marketing estão na conversão de leads em clientes, 75%, aumentar o tráfego para o site, 47%, aumentar a receita derivada de clientes da casa, 45% e comprovar o ROI das atividades de marketing, 31%.

O estudo foi realizado com a participação voluntária de profissionais de diretoria executiva, CEOs e CMOs.

Vale uma reflexão sobre o assunto.

Acompanhe a matéria com outros resultados da pesquisa no Meio e Mensagem

Por Geiza Mesquita, Consultora de Comunicação e Mídias Sociais

Como criar um perfil corporativo no Linkedin

Como criar um perfil corporativo no Linkedin

O Linkedin é atualmente a maior rede social em atividade dedicada exclusivamente a perfis de profissionais e empresas.

Se antes ele era visto apenas como um ambiente para divulgar oportunidades profissionais, hoje ele se apresenta como uma excelente oportunidade para negócios. Isso porque é possível se utilizar da rede por diversos recursos para divulgação não só de vagas, mas como posicionamento profissional, aconselhamento de carreira, acesso a informações do setor de atuação e exposição das atividades de uma empresa.

O Linkedin é mais uma rede social a ser considerada em uma boa estratégia de marketing. Pensando nisso, destaquei algumas informações que podem ser relevantes sobre a rede e darei uma orientação sobre como você pode fazer um perfil para a sua empresa.

A RELEVÂNCIA DO LINKEDIN PARA EMPRESAS

O Linkedin foi criado em 2002, na Califórnia, nos Estados Unidos. Dezesseis anos após a sua criação, considera-se que tenha em torno de 500 milhões de usuários em todo o mundo. Desse total, calcula-se que em torno de 29 milhões são brasileiros, dentre milhares de profissionais e empresas de diferentes perfis e nichos.

A rede social é conhecida por profissionais do marketing como a melhor alternativa no chamado marketing B2B, ou seja, para “Business to Business”, ou seja, essa expressão refere-se, em outras palavras, a transações de compra e venda entre empresas.

Há uma pesquisa que aponta que aproximadamente cerca de 80% dos leads em B2B provém do Linkedin. De fato, mais de 90% das empresas desse segmento investem nessa rede social.

Além disso, o Linkedin possibilita a criação e a divulgação de conteúdos de interesse do público que uma empresa quer atingir.  E permite também que se realize campanhas com uma segmentação específica, podendo direcionar determinado tipo de publicidade para profissionais de uma determinada área.

Pode-se, ainda, construir um perfil com uma identidade visual própria, que transmita os valores que a marca deseja passar.

No perfil, além das informações de contato, deve constar um pequeno texto informativo sobre a área de atuação da empresa, como explicarei a seguir.

CRIANDO UM PERFIL CORPORATIVO

Como já disse, criar um perfil para sua empresa no Linkedin é mais uma forma de anunciar os seus serviços e/ou produtos e criar oportunidades.

Para isso, você deve, antes de qualquer coisa, ter um perfil pessoal. Sua conta corporativa será feita a partir dele.

Feito isso, siga os seguintes passos: primeiro, clique em “crie uma Company Page”, constante no ícone “Soluções”.

Em seguida, defina uma URL para sua página. Tenha atenção para que o nome identifique bem a sua marca.

Selecione a opção “criar página”. Aqui, você deverá adicionar um email para contato. Depois disso, basta clicar em “comece já”.

É necessário ainda que você escreva uma descrição de seu negócio que tenha entre 250 e 2000 caracteres.

Aproveite esse espaço para colocar um pouco sobre a visão e os valores de sua empresa, além dos produtos que ela oferece. Se possível, fale um pouco sobre sua trajetória.

O perfil corporativo somente poderá ser visualizado após sua publicação. Portanto, não é possível uma pré-visualização.

Depois de terminado o processo de criação da página, é importante que você divida a administração dela com outros responsáveis, além de divulgá-la entre seus colaboradores.

É possível, por meio de uma Company Page, criar ainda uma Showcase Page. Com esta extensão, você pode dar evidência à sua marca ou a uma campanha específica.

Essa página é importante para que você possa fazer uma segmentação de público para suas divulgações.

 

UTILIZANDO SEU PERFIL DE MANEIRA CORRETA

Depois de feito seu perfil, é hora de pôr a mão na massa. Para isso, alguns cuidados devem ser tomados. Isso porque você deve ter em mente que o Linkedin não é uma rede social feita para que se possa vender produtos ou serviços. Na realidade, novas oportunidades de negócios podem surgir, mas essa não é a finalidade da plataforma. Trata-se, antes, de um espaço para que você possa criar novas relações, em outras palavras, fomentar o seu social network dentro do seu segmento.

Recomendo que você leia com atenção as regras da página antes de começar a se utilizar de seu perfil. E ao iniciar o uso, tente acompanhar a eficiência de suas publicações. Para isso, utilize os recursos da própria página.

Quanto ao teor das publicações, lembre-se: trata-se de uma rede social relacionada a negócios e a trabalho. Portanto, postagens descontraídas podem não ser adequadas ao ambiente dessa rede.

Mais uma vantagem para você que decidiu ter uma página nesse site é a possibilidade de encurtar os laços entre os seus colaboradores.

Aqui procurei dar algumas dicas de como criar uma página corporativa para a sua empresa, mas se precisar de uma ajuda profissional ou queira desenvolver uma estratégia de comunicação que também insira o Linkedin como canal de divulgação, posso te ajudar.

Por Geiza Mesquita, Consultora de Comunicação e Redes Sociais

Google revela que 98% das empresas brasileiras não aproveitam o marketing digital

Google revela que 98% das empresas brasileiras não aproveitam o marketing digital

Em matéria publicada no site E-commerce Brasil, Giuliano Gonçalves, apresentou um pouco da pesquisa realizada no Brasil pela The Boston Consulting Group (BCG) e o Google com 60 empresas de 10 setores diferentes.

O estudo aponta que mesmo as principais companhias nacionais estão longe de aproveitar o poderio total do marketing digital. A pesquisa confirmou que o marketing digital ainda requer um longo caminho no país para ser totalmente eficaz.

A maioria das empresas (55%) ainda encontra-se em estágio emergente, enquanto 37% são apontados como conectados, 6% nascentes e, em pleno aproveitamento (ou multimomento), somente 2%. “Apenas 23% das empresas integram os dados on e offline. 59% delas sequer possuem integração dos dados online”, afirmou Eduardo Leone, sócio do BCG.

De acordo com a pesquisa, uma das principais barreiras para o investimento na evolução do marketing digital está na habilidade e na automação para a entrega das mensagens — 96% das empresas relatou dificuldade na automatização das entregas, 91% não possui personalização avançada nos sites e 44% funciona sem uma personalização sequer na página.

“Isso apenas reforça a urgência de as empresas atenderem as exigências do novo consumidor dentro do ambiente online”, disse Dan Reicher, diretor do BCG e um dos principais responsáveis pelo estudo.

Outra dificuldade identificada envolve a ausência de métodos efetivos para a mensuração dos resultados. Dos participantes, 52% afirmaram utilizar modelos de atribuição, entretanto, apenas 20% utilizam ferramentas sofisticadas capazes de contribuir para uma tomada de decisão baseada em dados confiáveis.

Hoje, os algoritmos trabalham de maneira mais produtiva, com maior escalabidade. Pode-se dizer que eles são os responsáveis por solucionar os grandes problemas do novo consumidor da era da assistência — curiosos, exigentes e impacientes.

“Atualmente, os produtos pesquisados no buscador pelo consumidor digital precedem a palavra ‘melhor’. É um dado novo, assim como os 304% de aumento de busca relacionada a ‘onde comprar’. Quando o cliente chega ao ponto de venda, ele já está decidido sobre o que vai levar. Afinal, sua questão já foi respondida no digital e ele não tem dúvidas sobre o que comprará”, acrescentou Flávia Verginelli, diretora de produtos e inovação do Google Brasil, sobre a importância do entendimento dos dados na estratégia das empresas.

De acordo com o estudo, a evolução na jornada do marketing orientado pelos dados requer grandes esforços. E eles são divididos em quatro principais dimensões:

Targeting baseado em dados – impulsionar fontes de dados a fim de gerar insights para captar consumidores;

Ativação automatizada e personalizada – agilizar a compra de mídia e entregar mensagens personalizadas em larga escala;

Mensuração e atribuição – realizar a medição, atribuição e o gerenciamento dos resultados em todos os pontos de contato, para potencializar o retorno;

Organização e colaboração – fazer a integração dos profissionais de forma ágil, por meio de teste e aprendizado.

Desafios

Os desafios para essa nova era do marketing digital, segundo Reicher, vão muito além da tecnologia em si. Barreiras dentro da organização e mudanças impostas com a evolução digital têm a mesma relevância. “73% das empresas sofrem devido à coordenação inadequada de equipes multifuncionais, e 70% deles não têm objetivos alinhados em todos os canais. Sem contar que quase a metade dos pesquisados tem a maior parte do marketing feito por empresas terceirizadas”, pontuou.

Verginelli finalizou a apresentação referindo-se ao perfil do novo consumidor visto pela gigante buscadora. “Não somos nós [Google] quem respondemos às perguntas do consumidor, como ‘qual o melhor produto’, mas sim as empresas, que anunciam seus produtos e realizam o marketing sobre eles”, orientou. “Se elas não estiverem preparadas para essas respostas, perderão muito de seus investimentos em marketing”, ressaltou, acrescentando que a velocidade de carregamento do site, assim como a experiência de compra, também são enquadrados como fatores-chave dessa otimização.

Fonte: Giuliano Gonçalves, para a redação do E-Commerce Brasil